Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Diários de Bordo V - Vila Nova de Milfontes



Vila Nova de Milfontes    


between the never ending sea and me



segues sorrindo


na tua senda de perdição


demolidas as crenças


relembras de novo 


a tua solidão


as ruas ficaram desertas


pelas nove horas da noite.


e a noite é lenta 


lenta como o néctar florescente, na graça dos anjos


matas o anjo do desejo com um toque


teces a superfície de todo um novo altar


na noite que cresce em ti.




- sem lume para mais um cigarro.




- irás também tu regressar comigo


aos nosso reino de bobos e charlatães?




sorvidos pela sede de abismo


por um culto a um pôr de sol 


que se entregue assim 


aos sulcos das marés




numa brisa, esta minha mão tece as ramas


pelas ruas imaginárias do teu rosto.


e ao ritmo das ondas, ama-se o silêncio 


na crispação da noite 


que nos cerca 


pelos caminhos da nossa paixão.




há segredos que esperam


entre estas rochas,


a fria obscuridade


partilhando todo o medo na saliva dos corpos


perto do abismo


perto do nosso vasto mar prateado


aqui ao relento.




adormeço de novo


ou continuo seguindo


os teus passos na areia ?!

















Sem comentários:

Enviar um comentário