Pesquisar neste blogue

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Lady Afternoon Shifts II - Carnaval com Caetano

 
É Carnaval.
E Carnaval é Brasil.
E o que seria do Brasil sem Caetano Veloso.
 
"My name is green wave death, salt
South America's my name..."
 
 
 

Lazy Afternoon Shifts I - Roy Harper



"We're just spinning leaves
In the flight of a Dawn, little girl..."



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Night Shifts XXVI - Stoner

Ainda na sequência do post anterior, creio que o melhor exemplo de metal com influências lisérgicas será o Stoner. Com a devida vénia ao "deus" Tony Iommi sempre presente, podemos encontrar algumas variantes no Stoner/Rock de Uncle Acid and the Dead beats, Sleep ou Electric Wizard ou no mais arrastado e pesado Stoner/Doom de que os holandeses Celestial Season ou os britânicos Cathedral (de Lee Dorian, vocalista dos primeiros dois álbuns de Napalm Death) poderão servir como exemplos.








Dentro do nosso pais o Sonic Blast em Moledo solidificou-se como o melhor festival do género. Assisti à primeira edição deste festival (ou edição 0 como preferirem) em 2011. Vinha de Paredes de Coura e encontrava-me no litoral minhoto a passar uns dias enquanto esperava para ver no extracto da minha conta bancaria o último ordenado para assim poder voltar ao Algarve. Terminei a noite anterior a dormir no apeadeiro de Vila Praia de Âncora quando finalmente recebi o dito ordenado a 26 de Agosto e fui então até Moledo conhecer a praia, descobrindo depois acidentalmente um cartaz do (ainda somente) concerto em Moledo. Iria passado uns dias a um outro festival, este na praia fluvial de Barco (a uns bons 10 kms de Guimarães) para assistir aos suecos Katatonia e a uns espanhóis com o nome de Triangulo de Amor Bizarro(apesar do nome, soavam mais a Yeah Yeah Yeah's e outras cenas Indie da altura do que exactamente a New Order). O Sonic Blast cresceu a olhos visto desde então e para além de terem contado no ano passado entre outros com os Uncle Acid e Stoned Jesus este ano voltam a ter um cartaz que promete.Com Orange Goblin, Kadavar e os japoneses Kikagaku Moyo que fogem um bocado a este estilo mas que serão sempre bem-vindos ao nosso país.




















domingo, 26 de fevereiro de 2017

Night Shifts XXV - Alcest

Já há muito tempo que sonhava encontrar uma banda assim. A prova viva que Shoegaze e Metal são compatíveis. Franceses de Avignon, os Alcest para além de terem um universo muito próprio são um pouco como se alguém tivesse pegado na essência dos Slowdive e os tivesse colocado na misturadora com Ulver antigo, Opeth e In the Woods. Agora só falta encontrar uma banda que consiga juntar o Metal e o Psicadelismo da mesma forma. Confesso que era (embora ainda de uma forma muito inconsciente e primitiva) aquilo que sonhava ter conseguido fazer com a minha antiga banda.




Para se ter uma ideia de como o Metal e o Psicadelismo poderiam soar juntos deixo aqui também a versão da Interstellar Overdrive dos Melvins. Confesso no entanto que Pink Floyd por vezes me soa obsoleto nos dias que correm (já quase que não oiço).
Experimentem ouvir também Spacemen 3 meus caros.









quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Night Shifts XXIV - My Black Sabbath


Dias depois de terem terminado a ultima tournée das suas carreias com um concerto na Birmingham natal, eis o aniversário do primeiro álbum de todos. Ontem fez precisamente 47 anos que o metal nasceu.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Recomendação cinematográfica XXV - Na Via Láctea

De novo aqui no Blog em jeito de celebração pelo regresso de Kusturica aos bons filmes. Após uma (demasiado) longa fase de desinspiração e marasmo este parece ter retornado à sua linguagem cinematográfica que o caracterizou nos tempos áureos. Agora uma dúvida de natureza linguística, creio que Kusturiça pronuncia-se assim mesmo...com ç assedilhado (pronúncia dos Balcãs). E Na Via Láctea pronunciar-se-á certamente da mesma maneira que Underground ou Gato Preto, Gato Branco.