Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Dead Skeletons - new song

Os Dead Skeletons têm uma música nova, sinal de que uma das minhas bandas favoritas do neo-psicadelismo parece querer voltar ao activo.





Crass - There Is No Authority But Yourself

Creio que já tinha postado isto antes.
Nunca é demais repetir.




* Sometimes being rebellious in this fucked-up world just seems the only way to be alive.





Reverence Valada 2015

E pronto, cumpriu-se o primeiro aniversário do Reverence Valada. 
Este ano irei só no dia 29,uma vez que tirando os americanos The Warlocks, acho que não me interessa ver mais nada que não seja desse dia. Assim, os alemães Amon Duul II assumirão um bocado o papel que os Hawkwind ou os Swervedriver assumiram o ano passado. O papel daquela banda histórica que é fundamental ver ao vivo pelo menos uma vez na vida. Acho que os Slowdive também se encaixariam bastante bem neste papel e no festival...infelizmente foram antes a Paredes de Coura. Para além dos Amon Duul II e dos já referidos Electric Moon, terei curiosidade em ver os Dead Ghosts ( o equivalente a uns Black Lips canadianos) e os Magic Castles. Estes últimos, descobertos por Anton Newcombe são seguidores da antiga escola da Psychedelia dos anos 60 ( The Chocolate Watch Band, Os Mutantes...) com uma voz que a mim me faz lembrar um pouco o Robin Pecknold dos Fleet Foxes. E depois, os britânicos The Horrors, banda que admito nunca ter tomado muita atenção e o inconfundível Joel Gion dos The Brian Jonestown Massacre , que apesar de vir acompanhado pelo Collin Hegna e pelo Dan Allaire (respectivamente baixista e baterista dos BJM) creio que irá apenas tocar temas do seu primeiro álbum a solo, Apple Bonkers e não músicas dos BJM , ao contrário do que vi anunciado em alguns sites.
Boa jornada a todos aqueles que foram o ano passado e adoraram tal como eu...e por isso mesmo irão voltar este ano. E aos que forem este ano pela primeira vez e que eventualmente tenham-me ouvido dizer maravilhas da edição do ano passado, espero que não saiam de lá desiludidos. Se funcionar minimamente como no ano passado haverá no entanto bandas para todos os gostos. Foi essa uma das grandes virtudes da primeira edição.














quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Brian Wilson

Depois de um ano em que se viu um Outkast a (re)encarnar Jimi Hendrix e se ter falado em James Franco e em Leah Costello para os papeis de Robert Mapplethorpe e Patti Smith na adaptação cinematográfica de Just Kids, o mítico compositor dos Beach Boys também já merecia uma oportunidade de Hollywood oferecer-lhe o seu biopic.Coube desta vez a John Cusack representar o seu papel no grande ecrã.
De referir que embora, em pleno auge da Beatlemania, não tenha sido um grande sucesso de vendas, Pet Sounds (1966) hoje em dia é quase unânime considerar-lo como um dos melhores álbuns de sempre. 





Ah! E o Christian Bland que o ano passado esteve também em Valada e eu não perdendo "pitada" do concerto, com a minha t-shirt de White Hills na boa companhia do camarada J.Cunha(da loja Vinyl Experience em Lisboa).




Miranda Sex Garden

Assim de repente...recordei-me de quando nos tempos do liceu tinha uma paixoneta pela Aneeke van Giersbergen dos The Gathering e pela Katharine Blake dos Miranda Sex Garden.




Porra, mas aonde é que será que andam as Katharines Blake deste país ?!







terça-feira, 25 de agosto de 2015

Tuff Gong

Haverá sempre espaço e amor na minha vida para o Reggae/Roots e o Dub.
A Tuff Gong Records foi fundada na Jamaica em 1970. Tendo editado o primeiro Ep dos Wailers em 1971. Run for Cover era a música que marcava assim o inicio de uma bela aventura.
De referir que Tuff Gong era também a alcunha pelo qual Bob Marley era conhecido durante a sua infância em Trench Town


"Chanting down Babylon..."









Histórias sem história II - O Último Homem

Late night

O império da noite encontra-se agora pacifico.
A festa terminou.
O último homem depois de tentar beijar Leonor, parte
o seu semblante é pesado.

- Queria deixar-te marcada,
fustigada na descrição do desejo carnal,
mordendo os teus lábios.

Quando acordou, era meio-dia.
Algo desaparecera, talvez a esperança.
Talvez a chaga não seja bordão destinado a florescer.
Dizem que o amor aproxima os homens de Deus.
Dizem que o amor é lei.
No entanto este homem desconhece a razão dos deuses
e porque continua a ser ateu.

Midnight

A noite perene eras tu 
latejante,
no abandono de um homem disforme
o presente e futuro
entre rios de sangue 
é um olhar que desperta, uma fronteira invisível que delineia
desta montanha sacra, o eterno retorno.

relança-se de novo à garrafa
beatificando aquela que lhe desperta os órgãos vitais
da carne embebecida
à obsidiana casa de vidro
tudo é vago como o homem nu
tudo é frívolo como Deus.

pelas ruas do crepúsculo
crescendo nos limites de quem possuis
da obsessão ao adeus
um palpitante coração de vidro
vives à deriva
entre as vidas de um gato.

"estás aqui como os ventos do deserto, 
és o sal que me arde nos olhos".

E o último homem Sylvia Plath,
redigindo os seus poemas,
no vácuo inocule das estrelas,
para onde tenta ir sempre 
fugindo a todos os ciclos vegetativos
e ao paradigma dos poetas suicidas.

-Foi para isto que vim de tão longe?!

Queria aprender a tocar trompete.
Assim como Miles Davis
Queria vender todos os anéis.
Não para se meter na droga,
mas para poder comprar o bilhete de comboio, 
e assim partir na promessa
de um tempo sagrado que parece nunca mais chegar.






           

          domingo, 23 de agosto de 2015

          Cluster & Eno

          Sempre houveram parcerias felizes na história da música. Ao escutarmos a dos germânicos Cluster de Dieter Moebius com o britânico Brian Eno conclui-se que este será sem dúvida um desses exemplos.




          sábado, 22 de agosto de 2015

          Recomendação Cinematográfica X - The outsiders (1983)

          Da minha pré-puberdade recordo-me apenas que, depois de ter visto praticamente todos os filmes da secção de Artes Marciais do meu antigo video clube, depois dos Beatles e do Star Trek veio a fase dos filmes de gangs de rua. Um dos meus preferidos era o The Outsiders (de Francis Ford Coppola) que vi muito antes do mais reconhecido e aclamado Rumble Fish.




           








          a sinners belief




          a toss of cupid in ardent grim, 
          a bound
          from all constellations 
          inside of chaos
          pulling
          you back again
          through 
          an endless void
          through 
          all raging seasons,
          - the blooming seeds 
          of all our forgotten reasons

          our fleeting lives 
          so great and useless
          every truth that shines 
          in sweet exile
          in senseless denial
          no man will die in vain
          for his greater belief
          his own emancipating truth

          we are the seed ´
          we are the light
          and the plague
          forgotten plague
          at dawn
          of the unbreakable crystal memoirs
          in a procession of thoughts

          the spectral flowers of doom
          amidst this chimes of the night
          a inocent loss at war
          a mercurial course to mars
          into all knowledge
          denied
          misguided
          and too far 
          from thoughts.

          the scarlet virgin
          wild temperamental beauty
          claimed all her sacred realms
          -blewing the horn of bonds

          and we’ll recall it all
          through our rites 
          new stellar dimensions,
          phanerozoi boundaries 
          between genesis and chaos
          where we fall
          for her figure again
          and for all
          the feathered gods
          in vessels 
          crossing 
          the golden seas
          at the edge of a new world

          visions of death
          and rebirth
          in nights of love…




          quinta-feira, 20 de agosto de 2015

          Feira Medieval de Silves - Lenda das Amendoeiras

          A propósito da Feira Medieval de Silves que decorreu a semana passada, lembrei-me da lenda das amendoeiras em flor que aprendemos nos livros de história na escola primaria. Haja por isso mesmo alguns motivos de optimismo em relação ao ensino escolar, desde que se continue preservando os traços de uma cultura milenar.

          Há muitos anos atrás, quando o reino do Al-Gharb ainda pertencia aos árabes, reinava em Chelb(antiga designação para a cidade de Silves) o jovem rei Ibn-Almundim. Num certo dia este terá encontrado entre os prisioneiros de uma batalha, uma princesa loira e altiva de nome Gilda. Impressionado, deu-lhe a liberdade, conquistou-lhe progressivamente a confiança até confessar-lhe o seu amor pedindo-lhe para ser a sua mulher. Foram felizes durante algum tempo até que um dia esta princesa adoeceu, desconhecendo o motivo da doença, o rei desesperou e apelou a um cura da suas terras para que a viesse salvar. Este revelou-lhe que a princesa sofria com a nostalgia de voltar a ver a neve do seu pais. Por esse motivo o rei terá exigido que plantassem amendoeiras por todo o seu reino. Com a chegada da Primavera o rei levou a princesa à janela para que essa presenciasse a bela visão das amendoeiras em flor, curando assim a nostalgia pela sua terra natal. Ano após anos o ritual foi-se repetindo no inicio de cada Primavera proporcionando assim o final feliz digno de todas as histórias de encantar.  










          sábado, 15 de agosto de 2015

          Santa Maria, Gasolina em Teu Ventre!

          Como é que é possível ter existido uma banda destas em Portugal na década de 80 e praticamente não se saber nada sobre eles. Apenas sei que Jorge Ferraz era o mentor do grupo e que Tó Trips e Adolfo Luxúria Canibal terão sido colaboradores em algumas das músicas.






          quarta-feira, 12 de agosto de 2015

          Joy Division - Warsaw times







          Existiram e existirão sempre poucos a fazer, na flor da idade, uma música com uma mensagem tão simples e directa e por isso mesmo tão genuinamente sincera como os Joy Division de Macclesfield.







          wishing star of yesterday










          Inca flower
          a new visionary prayer
          a porcelain skin
          wishing star of yesterday
          to north east,
          they say
          a rain dance
          to overcome this road
          today i'm nobody
          i'm the shape of your inocence
          i'll drink you 
          to take you on my mind
          i'll write you
          to sent you free
          but i'll get lost
          as all moon dust 
          shinning 
          along the willow trees.

          segunda-feira, 10 de agosto de 2015

          Goat - Glastonbury 2015

          *Voodoo rituals and world music insane sounds from Sweden...that's Goat...and they're taking no prisioners...


          through josie's eyes








          What josie did said
          With those owl eyes
          Radiating
          From the forest dark
          She replied to me
          Of a thousand arabian nights

          What josie did said
          With those vicious eyes,
          sweet lullabies
          That numb the prey

          A dangerous drug
          To sing along
          Loud and wide
          With bleak and rum
          The naked plum
          All electrified bodies
          In disintegration tides
          Where the essence runs
          And truly abides

          What josie did said
          With those solemn eyes
          When we remembered
          The several
          Afternoons
          In her sisters room
          Only a slight happiness
          From her proud thighs
          honey hive, 
          these 
          morning haughty desire
          I shall drink 
          her love
          Like a cup
          Like the soul
          Of a new province
          To discover
          Through her eyes
          A new promise
          A music to endow
          Fierce smiling eyes
          That just

          Do not cease to glow.












          eras tu







          Cruzeiro Seixas



          Eras tu 
          o meu segredo
          nas entrelinhas
          Eras tu 
          a minha sombra de todas
          as cidades sem nome
          por onde derivo
          incisivo 
          na incerteza 
          de quem se esquece 
          da prova viva 
          de um horizonte inimaginável 
          animal ferido de morte 
          reaprendendo na dureza
          das palavras, 
          a pureza 
          que molda
          todos os traços vitais
           neste universo ignóbil
          que passa tão bem 
          sem ti.

          Não sou eu,
           quem tu tanto querias ter?!
          Chega-te de novo ao pé de mim
          oiço-te à tanto tempo 
          no tempo dos outros.
          Quem sou eu hoje?!
          Nada mais que um homem.









          sexta-feira, 7 de agosto de 2015

          Akira Kurosawa’s Dreams.





          “Why aren’t you painting? To me, this scene is beyond belief. A scene that looks like a painting does not make a painting. If you take the time and look closely, all of nature has its own beauty. And when that natural beauty is there, I just lose myself in it. And then, as if it’s in a dream, the scene just paints itself for me. Yes! I consume this natural setting. I devour it completely and whole. And then when I’m through, the picture appears before me complete. But it’s so difficult to hold it inside.”

          Vincent Van Gogh, from Akira Kurosawa’s Dreams.