Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Diários de Bordo XIII - Pubs

Se o povo inglês aos meus olhos revelou-se de facto muitas vezes de um civismo e organização superior ao nosso no que diz respeito à oferta gastronómica confesso que achei que ainda ficavam um bocado a desejar em comparação com a nossa cozinha tradicional. Apenas em Liverpool entraria num restaurante com uma ementa tradicional inglesa. A maioria dos locais talvez pelo lado prático pareceu-me ter a tendência de aderir aos "meal deals" de cadeias de supermercados como o "Tesco's" ou "Sainsbury's" ou então à comida "thai"cuja oferta abunda por todas as principais cidades inglesas. Surpreendeu-me também ver a quantidade de restaurantes da cadeia portuguesa "Nando's".Crescem que nem cogumelos.Quem diria que um negocio que começou como uma simples churrasquearia na Praia da Rocha um dia se tornaria numa das mais populares cadeias alimentares em Inglaterra. Mas se faltam restaurantes tradicionais em terras de sua majestade muito se deverá provavelmente à cultura dos Pubs que tanto me fascinou. Assim um dia normal de um cidadão inglês começará muitas vezes no Pub com o seu "full english breakfast". A propósito disto tudo acabei por ter uma conversa bastante animada em Londres com um vendedor numa feira. Adepto do Man.United falou-me de vários pubs referência em Londres e de alguns aspectos da cultura dos mesmos. Mostrou-me vários postais e quando perguntei se ele tinha o postal do mais antigo de todos ele disse-me não ter a certeza de qual era. Ao procurarmos essa informação no meu guia de viagens chegamos à conclusão que o Ye Old Trip to Jerusalem em Notthingham será provavelmente o mais antigo de todos. Supostamente servirá bebidas desde o Séc.XII. 
Fiquei curioso em prestar uma visita ao local um dia destes. 


terça-feira, 17 de maio de 2016

Recomendação cinematográfica XXI - Le Voyage dans La Lune

O poeta grego Luciano de Samosata terá sido o primeiro a escrever um romance sobre a viagem à lua no Séc II d.c.
Mas seria com Julio Verne que este sonho ganharia maior consistência. De referir que a rampa de lançamento no romance "Da terra para a Lua" ficava situada curiosamente em Cabo Kennedy na Florida como se sabe este era o nome do presidente dos EUA que em 1961 iniciou a missão de colocar o primeiro homem na lua através da criação do Centro Espacial Kennedy. Por sua vez em 1969 a primeira expedição partiria de Cabo Carnaveral igualmente situado na Florida. A única diferença é que no romance tínhamos antes um projéctil a ser lançado através de um canhão em vez do posterior foguetão inspirado nos V-2 alemães. 
A premonição não terá dado para tanto.



A adaptação cinematográfica de George Mélíès aconteceria em 1902, tratando se assim do primeiro filme de ficção cientifica.






segunda-feira, 16 de maio de 2016

Paideia



* Palavra grega cujo o significado etimológico é "criação", ou seja tratar-se de si mesmo em prol do seu desenvolvimento. O termo é aplicado desde o Séc.V a.c para exprimir quer o sentido subjectivo, quer o objectivo que damos a cultura. A Paideia pode assim entender-se como um sistema de educação(em que a ginástica nunca esteve ausente)ou como a formação daí resultante, que pode limitar-se a um campo muito especifico ou à cultura poético-musical que esteve na base do ensino grego(A Paideia também é tema fulcral na Republica de Platão aonde este lhe atribui o fim de desenvolver harmonicamente todas as potencialidades do homem)
- A palavra latina escolhida para traduzir foi Humanitas.
O vocábulo que prevaleceu não foi porém esse, mas outros utilizados pelo próprio Cícero, como Doutrina e Disciplina.

domingo, 15 de maio de 2016

Night Shifts XVIII - Thee Oh Sees

Os Thee Oh Sees são outra das bandas confirmadas no Reverence deste ano.Esta é para o amigo Xico"Chouriço"que foi ver o Adolfo hoje e não me disse nada.
E que às vezes fala-me na ideia de formar uma banda na onda dos Thee Oh Sees. 




Night Shifts XVII - Estilhaços

Hoje foi dia de o Adolfo Luxúria Canibal vir até Silves apresentar o seu livro Estilhaços
Tive pena de não conseguir ir ver.
O livro fica no entanto na lista de próximas compras a efectuar.






Na minha humilde opinião e falando apenas de concertos no palco principal,depois dos A Place to Bury Strangers o concerto dos Mão Morta terá sido um dos melhores na primeira edição do Reverence Valada.
Mas isto apenas na minha humilde opinião, claro.
Este ano será a vez os Mécanosphère.




Allô Allô


Aos 17 anos o meu primeiro trabalho em Portimão. Era caixa de uma cadeia de supermercados e alguns dias após ter começado a trabalhar um grupo de Punks amigos meus deslocaram-se até à minha caixa.Munidos de correntes,alfinetes nas orelhas e com penteados Mowak etc vinham com as suas garrafas de cerveja para o Botellon antes do concerto.Um deles, com a sua Mowak pintada de azul, ficou alguns minutos a conversar comigo e chegado o momento de pagar para o meu espanto a supervisora cobrou-lhe uma garrafa a mais.No final do dia o tema de conversa entre todas as minhas supervisoras era o tal rapaz de "cabelo azul".Quando tentei confrontar-la sobre o facto de este ter pago uma garrafa a mais ela não só desmentiu categoricamente como acusou-me de querer favorecer com "borlas" amigos "como ele". A partir daquele momento passei também eu a ser alvo de chacota por parte de alguns dos meus colegas. Fui fazendo de conta que não ouvia todos os comentários mais desagradáveis até que após o final da primeira semana de trabalho fui "dispensado".Depois deste episódio durante algum tempo apenas consegui trabalhos em restauração. A experiência laboral que considero mais positiva até à data nesta cidade foi a de carteiro. Principalmente porque tinha um horário flexível que me permitia voltar aos estudos durante a noite ao mesmo tempo que ia mantendo uma remuneração um pouco mais elevada do que eram os salários standart a que estava habituado. Neste trabalho recordo no entanto com alguma saudade o meu supervisor. Chamava-lhe o "Herr Flick" por fazer-me recordar a personagem da série Allô Allô. Hoje em dia confesso que tenho dificuldades em ver televisão, principalmente porque os programas pouco ou nada me interessam.Resta-me muitas vezes ir uma vez mais ao YT procurar por Brit Coms antigas como esta.













sábado, 14 de maio de 2016

Jon Stewart

Jon Stewart deixando bem clara a sua opinião sobre Donald Trump:






sexta-feira, 13 de maio de 2016

Recomendação cinematográfica XX - Pare,escute e olhe

Desde pequeno que mantenho uma grande paixão por comboios.
Viajar de comboio pelo norte do pais é fenomenal e existem vídeos no You Tube que são verdadeiras relíquias.













Fica também feita a recomendação:




"O documentário "Pare, Escute, Olhe", de Jorge Pelicano, foi distinguido em Itália, na 59.ª edição do Trento Film Festival, com o Prémio Cittá di Bolzano, para o Melhor Filme de Exploração e Aventura, noticia a edição online do Diário de Notícias. O documentário, foi escolhido de entre os 27 filmes de vários países que estavam a concurso. Este documentário mostra o que acontece ao povo quando o sistema político é mais influenciado pelos interesses privados do que os interesses de uma comunidade. É um grande exemplo de cinema interventivo que nos deixa a pensar."


















Poetas Farenses

Ainda voltando ao António Ramos Rosa de referir que apenas uma vez o terei visto, não me recordo bem mas creio ter sido mesmo na biblioteca em Faro que "adoptou" o seu nome. Olhando para aquilo que foram os últimos anos apercebo-me que não é só na música que têm vindo a desaparecer os grandes nomes. O mesmo vai-se sucedendo aos poucos com as nossas grandes referências literárias. Para dar exemplos passo rapidamente a citar nomes como Mário Cesariny, Luiz Pacheco, Al Berto e o já referido António Ramos Rosa assim como mais recentemente o Herberto Hélder. Não é um poeta fácil eu sei...mas entre os amigos farenses era o mestre.Tão simples como 2+2=4

Eu pessoalmente nunca me senti escritor e muito menos poeta mas sinto também que muitas vezes são as pessoas que me rodeiam e as vivências que alimentam e dão fluidez à minha energia criativa. O recorrer às imagens fragmentadas deve-se ao facto de ter mantido sempre vivo um interesse por várias artes. Vou fazendo o que posso e ninguém será mais exigente comigo do que eu próprio,penso sempre em dedicar-me a outras formas de arte e nunca escondi do que mais gostaria mesmo era de um dia voltar a fazer uma banda, desde que surjam pessoas com disponibilidade e paciência para colaborarem com alguém que não tem grande formação musical nem material mas que tem por sua vez uma grande vontade em aprender e evoluir. Regressando à poesia, farei sempre os possíveis para valorizar o trabalho daqueles que se dedicam de corpo e alma a esta arte. Em Faro tive a sorte de ter conhecido bons poetas,mas mais ainda tive a sorte que estes fossem os meus melhores amigos. Sim,amigos daqueles que se prestam a ajudar-te em casos de necessidade ou então em pedir a tua ajuda na situação inversa. Não eram os chamados "amigos dos copos" com que tu partilhas vagamente algumas dores sentimentais. Era o caso do Valter(Alexandre Homem Dual) em comum entre nós havia um passado com um espírito mais"metaleiro" e a paixão pelos The Doors. Podíamos entrar em conflito cada vez que discutíamos futebol apenas por defendermos cores diferentes, mas era tudo sempre dentro de um certo "fair-play"ou como quem diz dentro de um respeito e admiração mútuos. A escrita do Valter talvez fosse a mais "académica" e segmentada de nós todos, visto que ele era o único que tinha a licenciatura no curso de Línguas e Literaturas e não será à toa que também é o único que terá livros publicados. O Tiago Marcos, natural de Cuba do Alentejo para além de ser letrista e guitarrista nos Esfinge era um bom escritor de prosas e contos. Com todo o seu lado bucólico que a mim tanto me lembrava o José Luís Peixoto. O Tiago também tinha a particularidade de ser marinheiro de profissão, creio que actualmente terá regressado ao Alentejo aonde vive com a sua companheira, não sei nada dele há anos. E depois uma das pessoas que mais me marcou e influenciou em Faro foi"o poeta" na pessoa que conheci até hoje que mais vivia com um verdadeiro poeta, falo de Rogério Cão.Natural de uma pequena aldeia do concelho de Famalicão para além de ter a amabilidade das pessoas do norte, revelava também o "espírito-livre" de quem se deixava embriagar pela noite para depois poder escrever-la pelo seu dorso.Influenciado por artistas como Mário Viegas, Cesariny ou Ary dos Santos era igualmente um excelente declamador. Das várias memórias que guardo do Rogério, a que talvez guarde com mais saudade será de quando fomos convidados a deslocar-mo-nos à pacata vila alentejana de Vila Ruiva. Para além de apresentarmos uma curta metragem em que todos tínhamos participado, eu também tinha sido convidado para filmar os concertos. Mas antes dos concertos foi a vez do Rogério "encarnar" a sua personagem e deambular de porta em porta pela vila declamando poemas e juntando pessoas à sua volta. Aos poucos, com todos a caminhar em fila indiana parecia já uma autentica procissão na qual iam participando pessoas de várias idades. Esta versão da Matilde no entanto não fará justiça a todas as suas qualidades como declamador, acho que ele exagera um pouco no "drama" embora ache que esteja muito bem acompanhado, neste caso pelo músico farense Francisco Aragão, um velho conhecido nosso de participações em várias bandas e com o actor Nuno Ferreira (Nuninho) um outro conhecido entre todos nós. Escrevo-os a todos para que assim não me esqueça da ultima vez que tive amigos no meu quotidiano. E escrevo-os porque desejo retomar quanto antes a um quotidiano assim.





segunda-feira, 9 de maio de 2016

Recomendação Literária VI - António Ramos Rosa





Como uma pequena lâmpada subsiste
e marcha no vento, nestes dias,
na vereda das noites, sob as pálpebras do tempo.

Caminhamos, um país sussurra,
dificilmente nas calçadas, nos quartos,
um país puro existe, homens escuros,
uma sede que arfa, uma cor que desponta no muro,
uma terra existe nesta terra,
nós somos, existimos

Como uma pequena gota às vezes no vazio,
como alguém só no mar, caminhando esquecidos,
na miséria dos dias, nos degraus desconjuntados,
subsiste uma palavra, uma sílaba de vento,
uma pálida lâmpada ao fundo do corredor,
uma frescura de nada, nos cabelos nos olhos,
uma voz num portal e a manhã é de sol,
nós somos, existimos.

Uma pequena ponte, uma lâmpada, um punho,
uma carta que segue, um bom dia que chega,
hoje, amanhã, ainda, a vida continua,
no silêncio, nas ruas, nos quartos, dia a dia,
nas mãos que se dão, nos punhos torturados,
nas frontes que persistem,
nós somos,
existimos. 

António Ramos Rosa, Nós Somos

Night Shifts XVI - Durga Puja




Durga Puja é um festival hindu anual que comemora a adoração da deusa hindu Durga ou Shakti. Com a duração de seis dias as datas das celebrações do Durga Puja normalmente são decididas de acordo com o calendário hindu tradicional e geralmente caem entre os meses de Setembro a Novembro. É celebrado de forma mais veemente no Norte e Leste da Índia.







Night Shifts XV - Einsturzende Neubauten

* Sim,os Einsturzende Neubauten continuam a ser uns fixes.







domingo, 8 de maio de 2016

Recomendação cinematográfica XIX- The man with the movie camera

O russo Dziga Vertov foi o criador do Kino Pravda, ou Cinema Verité como preferirem.Tendo assim sido fundamental no desenvolvimento dos princípios da montagem no cinema. Aqui nesta versão com os sons de Biosphere a criarem a perfeita ambiência para as suas imagens.
  ´

Canção da Paciência






Ainda falando do Norberto Lobo, de referir que gosto bastante da versão da Canção da Paciência que ele fez com o João Pedro Simões. Apesar de preferir a versão original do Zeca Afonso
Talvez seja mesmo uma das suas canções de que eu gosto mais.












sábado, 7 de maio de 2016

Night Shifts XIV - Norberto Lobo


Discutir gostos musicais é e será sempre polémico, pois é cada um como cada qual ou seja cada um irá sempre manter uma opinião formada,"cada cabeça sua sentença" etc. Mas o virtuosismo musical é algo de inato e palpável.Tal como o talento de fazer com que tudo te pareça simples, Kurt Cobain nessa perspectiva seria um génio,noutra Jimi Hendrix também e ainda noutra diferente os Einsturzende Neubauten também.Mas pronto,resumindo e passando à frente, isto só para dizer que dentro do meu universo musical e digo-o sem a mínima vontade de querer ofender ninguém,apenas pelo desejo de querer partilhar uma opinião o Norberto Lobo será a maior referencia entre os guitarristas portugueses. Perdi a conta do número de concertos que vi seus, quer a solo quer acompanhando outros músicos mas a verdade é que nunca me parece tocar as suas musicas da mesma maneira duas vezes.Dotado de uma grande espontaneamente,o improviso reina na maior parte dos seus concertos.A primeira vez que o ouvi foi numa noite qualquer na casa de um amigo meu que vivia no Bairro Alto, quando este disse-me algo do género "olha queres ouvir a cena do tipo com que falamos à pouco?" 
Tinha acabado de sair o seu primeiro álbum.
E a "Lottumstrasse" foi a primeira música que eu ouvi.



words of wisdom



He who stands on tip toe doesn’t stand firm.
He who rushes ahead doesn’t go far.
He who tries to shine dims his own light.
He who defines himself can’t know who he really is.
He who has power over others can’t empower himself.
He who clings to his work will create nothing that endures.
If you want to accord with the Tao, just do your job, then let go.”



— Lao Tzu

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Glenn Jones

O Glenn Jones vai hoje voltar a tocar nas Galerias Zdb. 
Recordo-me perfeitamente quando o vi no mesmo sitio à uns anos atrás.
Para além do seu virtuosismo nas seis cordas, este revelou-se como um descontraído contador de histórias ajudando a fazer prevalecer entre nós o espírito de John Fahey.




quinta-feira, 5 de maio de 2016

Night Shifts XIII- Devendra Banhart

Sempre gostei mais do "freaky" Banhart do Neo/Folk e do Tropicalismo do que da actual versão "hipster"mais previsível.Embora continue com algumas boas canções.
Das mais antigas sempre gostei desta,em português,com o Rodrigo Amarante.




Ah, então e o que dizer deste video do Devendra a andar de Skate?! De referir que a ultima vez que tentei andar de skate acabei deslocando o meu pulso.
Nunca mais arrisquei desde então.








quarta-feira, 4 de maio de 2016

Açores

Gostaria de um dia visitar os Açores. 
Os meus avós falam-me constantemente, agora que atingiram a 3ª idade e em jeito de brincadeira, em vender tudo e arranjar uma Van Volkswagen para correr o mundo.
Eu falo-lhes sobre irmos aos Açores.
Eles nunca andaram de avião.

"É na terra Não é na Lua", Gonçalo Tocha(2011)





O Miradouro

Lisboa sempre foi conhecida por ser a cidade das 7 colinas e pela beleza peculiar dos seus miradouros. 
O da Graça,por exemplo, junto ao Castelo de S.Jorge sempre foi um dos meus preferidos. Isto a propósito do novo miradouro situado nas Torres das Amoreiras que terá uma panorâmica total de 360º e quase 200 metros de altura.
Por 5 euros conseguimos assim ver toda a cidade lisboeta na sua plenitude. 




Uma vez estava na estação dos autocarros em Braga,quando conheci o M. e o F. dois alemães de Berlim que tinham acabado de chegar ao nosso pais. Eu ia para Santiago de Compostela e eles tentavam arranjar uma boleia para perto de Chaves. Demo-nos todos bem e depois de terem oferecido comida e de eu ter oferecido o meu casaco a um sem abrigo, ainda tentaram persuadir-me a vender o bilhete e ir com eles só que tal acabou por não ser possível. Ao voltar a Portugal e depois de ter andando pelo Porto, Viseu e São Pedro do Sul acabei por ir parar uns dias a Lisboa em vésperas da Festa do Avante.
Voltei a encontrar o F. após uma noite pelo Caís do Sodré em que tentamos ficar na casa de uma amiga. Como não conseguíamos contactar com ela,este perguntou-me aonde se podia acampar em Lisboa.Era de manhã,chovia e eu estava de rastos. E ainda tinha a Festa do Avante a acontecer no dia seguinte. Ri-me e disse-lhe "olha por mim acampamos já ali junto ao rio..." falando mais a sério acabei por sugerir que fossemos para o Parque Florestal de Monsanto. Acreditei que fosse alguma ilegalidade irmos acampar por lá, mas acabamos por ir na mesma. Pelo "off the beaten track"acabamos por descobrir um local com a panorâmica perfeita da cidade desde a 2ªCircular até ao Rio Tejo.

Night Shifts XII- Kikagaku Moyo

*Nunca me canso de ouvir os japoneses Kikagaku Moyo
De referir que estes lançaram recentemente um novo Ep juntamente com os californianos Moon Duo. 
Esta música é no entanto de um novo álbum a sair em breve.




Night Shifts XI - Tom Waits

"If there's one thing you can say
About Mankind

There's nothing kind about man

You can drive out nature with a pitch fork

But it always comes roaring back again"







terça-feira, 3 de maio de 2016

Histórias sem história III- A longa guerra silenciosa

No duro ganha pão que todo o diabo amassou,
o condenado tentava recriar de novo
o poder de vaguear pela sombra das palavras
os ritos proscritos da loucura
as flores do sonho que deflagram 
sobre o espírito desta realidade
numa estranha e longa guerra silenciosa
de garras afiadas
ou desde o fumegante cano de uma pistola. 

Assim mesmo,
como convêm sempre ser, 
realista e de feições grosseiras 
na terra aonde não é permitido sonhar. 

E para compelir o pânico dos seus murmúrios, 
a beleza no vão das escadas.

Sentindo Deus na ponta da navalha, sentado num cavalo sem sela.
Sentindo o verbo e o caminho nesta canção.
Sentindo a força com que seguras o cajado e libertas o desânimo.
Sentindo o silêncio de querer chorar para te poder finalmente ouvir.
Sentindo o arrastar do caixão pelas frias calçadas da lucidez.
Sentindo o arfar de um cão que te morde a alma.
Sentindo o cantar do realejo de boca de quem pede beijos.
Sentindo o castigo de um noivado sem aliada nem aliança.

Vamo-nos olhar nos olhos todos os dias a partir de agora.
O desenho desta janela já está traçado a lápis de cor.







segunda-feira, 2 de maio de 2016

Patti Smith - M Train

A vida faz-se de ciclos, positivos e negativos, se preferirem fases boas e outras menos boas.Quando li o Just Kids e após o impacto excelente que este me causou estava longe de imaginar que iria passar por alguns dos piores anos da minha vida.Mas a verdade é que ainda aqui estou e a Patti também...e o seu novo livro de memórias chama-se M train.

Ao que parece o livro divide-se em 18 diferentes estações,representativas de diferentes fases da vida da cantora e escritora americana.A narrativa começa num café em Greenwich Village em que esta era frequentadora assídua dando também o corpo à capa do seu livro. Destaque por fim também para o conjunto de fotos a preto e branco tiradas pela autora.






Recomendação cinematográfica XIX - The Science of Sleep

Tentando aos poucos desanuviar e esquecer a tensão do dia de hoje em que muitas emoções negativas acumuladas acabaram por vir ao de cima, resolvi por isso rever o Gondry e o divertido The Science of Sleep(2006).Mais um dos muitíssimos filmes que acabei por ter o privilegio de ver no Cineclube de Faro. 
Com o Gael Garcia Bernal e com a sempre muy carismática Charlotte Gainsbourg.

"you can see real life in 3 D..."