Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Diários de Bordo XVII - A estranha cabeça relicário

Grande parte da minha família é oriunda de Casével, uma pequena vila do concelho de Castro Verde. Em Casével outrora foi encontrada uma cabeça relicário que se supõe, terá sido trazida pela neta de um imperador grego. Comprovou-se que no seu interior possuía um crânio humano que, segundo as crendices populares, pertencia ao mártir São Fabião e teria poderes para curar as doenças do gado. 





Álbuns que mudaram o mundo VII - October Rust


Pode não ter mudado o mundo mas terá mudado a minha vida. 
Lembro-me de ter o álbum original emprestado durante vários meses em casa, tendo-se tornado no soundtrack de um período especial da minha vida e por isso mesmo um dos álbuns que sem dúvida mais gostaria de adicionar à minha colecção.




terça-feira, 2 de maio de 2017

river of deceit



River of deceit
River of sadness
At surface with twilight
You’ve been seeing through
The streams of eternity
In your silent course
A new infatuation
But all visages are lost
- In the dome of the dream
Which in me surrenders.
Useless mirror of all my dreams
Where are you going?
Swarming waters
For whom do you lament?
Nor the premonition
Nor a simple vision
I do not noticed anything, my ghost companionship
In this blackened tides.
I keep with me your venus flower
I keep with me the secret of your origins
And the caress of your tears
In all existence
And throughout death.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

The true Mayhem

Finalmente, pela primeira vez no nosso país. O acto mais aguardado desta vigésima edição do SWR Barroselas Metal Fest irá ser sem dúvida o da polémica banda norueguesa que deu origem à chamada "2ªvaga" do Black Metal. 

"Those crazy norwegians..." 




sábado, 15 de abril de 2017

Páscoa

À "6ªfeira Santa" que supostamente representaria o dia da morte e julgamento de Cristo chama-se Páscoa que advém do hebraico Pessach, significando passagem através do grego Πάσχα. Os eventos da Páscoa teriam ocorrido durante o Pessach, data a que os judeus associam à libertação e fuga de seu povo escravizado no Egipto.



A palavra Páscoa advém, exactamente do nome em hebraico pela festa judaica à qual a Páscoa cristã está intimamente ligada, não só pelo sentido simbólico de “passagem”, comum nas celebrações pagãs (passagem do Inverno para a Primavera) e judaicas (da escravatura no Egipto para a liberdade na Terra prometida).


Pelo equinócio da primavera,celebra-se a Ostara, igualmente conhecida como Eostre (Deusa Anglo-Saxónica, que significa Deusa da Aurora) ou Easter a deusa que simboliza a primavera, a ressurreição e o renascimento e as lebres e os ovos pintados com runas eram nem mais que os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados. A lebre (e não o coelho) era o seu símbolo. Suas sacerdotisas eram ditas capazes de prever o futuro observando-o através das entranhas de uma lebre sacrificada.







terça-feira, 11 de abril de 2017

Álbuns que mudaram o mundo VI - The Velvet Underground & Nico

Penso que é inegável a importância do ano de 1967 na história da música. Are you Experienced?!, John Wesley Harding, Easter Everywhere, Sg.Pepper Lonely Hearts Club Band,Their Satanic Majestic Requests,The Piper at the Gates of Dawn, Forever Changes, Strange Days, Surrealistic Pillow e poderíamos continuar aqui por horas a fio a discutir álbuns marcantes e imprescindíveis na evolução da musica moderna publicados só nesse mesmo ano. Mas talvez o mais marcante de todos, por ser o que mais fugia dos padrões da música mais convencional e radiofónica desses dias terá sido o The Velvet Underground & Nico um lançamento inovador de uma banda de misfits artísticos de Nova York e comercializados pelos caprichos criativos de uma das figuras mais emblemáticas da época: Andy Warhol. Os Velvet fugiam de todo ao padrão do "Summer of Love" da costa californiana. Os sons sombrios e as letras urbano/decadentes eram como que alguém terá mesmo descrito a badtrip desse "flower/power". O que se tornaria entre nós conhecido como Velvet Underground começou em 1964, quando Reed conheceu o instrumentista experimental John Cale e formou uma banda chamada The Primitives. Com Reed na guitarra e Cale em praticamente tudo o resto, eles adicionam o guitarrista Sterling Morrison e o percussionista Angus Maclise. Depois de um curto período como The Falling Spikes, o quarteto se passou a denominar de "The Velvet Underground", titulo de um livro de Michael Leigh sobre a subcultura sexual na década de 1960. Quando Maclise resolve abandonar o grupo mesmo antes do primeiro concerto da banda, Maureen Tucker entra para tocar bateria. Com a abordagem única de Tucker, o som clássico dos Velvet Underground começa assim a revelar-se. Andy Warhol tornar-se-ia gerente da banda e convidaria a actriz alemã Christa Päffgen (mundialmente conhecida como Nico) para a banda. O grupo torna-se-ia parte integrante de um dos mais importantes happenings artisticos da Pop Art sobre a curadoria do Andy Warhol, o Exploding Plastic Inevitable. Warhol seria também responsável pelo design da capa do álbum que conta com a participação da Nico em várias músicas, nomeadamente "Femme Fatale", "All Tomorrow's Parties" e "I'll Be Your Mirror". Por muitos considerados como o álbum mais influente de sempre, fez recentemente 50 anos que viu a luz do dia e era igualmente um álbum imprescindível para esta rubrica. 





Recomendação Cinematográfica XXVI - Une Femme Coquette (1955)

Baseado num conto de Guy de Maupassant, Une Femme Coquette é a primeira de quatro curtas-metragens feitas por Jean-Luc Godard e ficou disponível recentemente online no Youtube.
O realizador que aqui ainda assinava como Hans Lucas tem uma breve aparição na mesma, fazendo assim lembrar Hitchcock.





A história narra as desventuras de uma "mulher sedutora" que depois de visualizar uma prostituta seduzir a personagem de Godard se sente tentada a fazer o mesmo a um homem sentado num banco de jardim.Importante por ser o primeiro registo do lendário realizador francês não deixa no entanto de ser igualmente interessante a nível estético.

domingo, 9 de abril de 2017

Night Shifts XX - Lisbon Psych Fest 17

De todas as bandas que foram ao Lisbon Psych Fest este ano os berlinenses Camera (não confundir com os também germânicos CAN)era de quem mais gostava de ter visto. Fica para uma outra altura.



Night Shifts XIX- Wrathchild

Ainda numa de revivalismos,o "Killers" dos Iron Maiden foi um álbum fundamental para começar a gostar de metal durante a minha adolescência.








Night Shifts XXVIII - Suicidal Tendencies

Confirma-se que estou mesmo numa de revivalismos.
Hoje fui dar com a K7 aonde tinha o primeiro álbum de Suicidal Tendencies (de 1983) gravado. 
A rodar desde os 13 anos de idade.



sexta-feira, 7 de abril de 2017

Recomendação Literária VII - Pablo Neruda






I want you to know
one thing.
You know how this is:
if I look
at the crystal moon, at the red branch
of the slow autumn at my window,
if I touch
near the fire
the impalpable ash
or the wrinkled body of the log,
everything carries me to you,
as if everything that exists,
aromas, light, metals,
were little boats
that sail
toward those isles of yours that wait for me.
Well, now,
if little by little you stop loving me
I shall stop loving you little by little.
If suddenly
you forget me
do not look for me,
for I shall already have forgotten you.
If you think it long and mad,
the wind of banners
that passes through my life,
and you decide
to leave me at the shore
of the heart where I have roots,
remember
that on that day,
at that hour,
I shall lift my arms
and my roots will set off
to seek another land.
But
if each day,
each hour,
you feel that you are destined for me
with implacable sweetness,
if each day a flower
climbs up to your lips to seek me,
ah my love, ah my own,
in me all that fire is repeated,
in me nothing is extinguished or forgotten,
my love feeds on your love, beloved,
and as long as you live it will be in your arms
without leaving mine.

Pablo NerudaIf You Forget Me

terça-feira, 4 de abril de 2017

Moita Metal Fest




Que considerações a fazer depois de um fim de semana tão bem passado, na companhia de amigos de longa data e a ouvir o estilo musical que sempre nos uniu?! Epá, em primeiro lugar que o metal nacional está bem vivo e recomenda-se. É clara a evolução das bandas hoje em dia em comparação com os anos 90. Embora na década de 90 se calhar houvessem boas ideias, bons "projectos"de bandas digamos assim...faltaria talvez a consistência que só mesmo a qualidade e o profissionalismo pode oferecer. O melhor "gear"de miúdos que começam a tocar mais cedo e melhor assim o permite. Convém realçar por isso mesmo a qualidade de bandas dentro de géneros específicos como o Heavy e o Thrash dos The Zanibar Aliens, dos Prayers of Sanity e dos Midnight Priest ou o Brutal Death Metal dos Analepsy (uma maiores surpresas da noite para mim) e se a estes juntarmos uns mais experientes nestas andanças como são os Theriomorphic ou os Corpus Christii (sem esquecer os Crise Total e o Fast Eddie) já teríamos por si só um "cardápio de festas" bem rico para o fim de semana. Mas voltando atrás relembro de que afinal as bandas que me tinham feito deslocar até à Moita até eram duas das mais importantes de sempre dentro do metal mais extremo. Estou falando claro dos thrashers germânicos Sodom, referência incontornável da cena alemã dos anos 80 e 90 e dos britânicos Napalm Death, pais do Grindcore,das batidas Blastbeat e das letras anticapitalistas que os distinguia da maioria das bandas de Death Metal e que se tornaria igualmente imagem de marca dentro do estilo Crust/Core.
Em suma, vendo bem só no Sábado tive o privilégio de assistir a 13(!) bandas pelo preço de 18 euros. Uma melhor relação Qualidade/Preço seria quase impossível de se exigir. Isto com a imperial a 1 euro apenas.
Até pró ano pois então. Moita C*****o!!!













terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Lady Afternoon Shifts II - Carnaval com Caetano

 
É Carnaval.
E Carnaval é Brasil.
E o que seria do Brasil sem Caetano Veloso.
 
"My name is green wave death, salt
South America's my name..."
 
 
 

Lazy Afternoon Shifts I - Roy Harper



"We're just spinning leaves
In the flight of a Dawn, little girl..."



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Night Shifts XXVII - Stoner

Ainda na sequência do post anterior, creio que o melhor exemplo de metal com influências lisérgicas será o Stoner. Com a devida vénia ao "deus" Tony Iommi sempre presente, podemos encontrar algumas variantes no Stoner/Rock de Uncle Acid and the Dead beats, Sleep ou Electric Wizard ou no mais arrastado e pesado Stoner/Doom de que os holandeses Celestial Season ou os britânicos Cathedral (de Lee Dorian, vocalista dos primeiros dois álbuns de Napalm Death) poderão servir como exemplos.








Dentro do nosso pais o Sonic Blast em Moledo solidificou-se como o melhor festival do género. Assisti à primeira edição deste festival (ou edição 0 como preferirem) em 2011. Vinha de Paredes de Coura e encontrava-me no litoral minhoto a passar uns dias enquanto esperava para ver no extracto da minha conta bancaria o último ordenado para assim poder voltar ao Algarve. Terminei a noite anterior a dormir no apeadeiro de Vila Praia de Âncora quando finalmente recebi o dito ordenado a 26 de Agosto e fui então até Moledo conhecer a praia, descobrindo depois acidentalmente um cartaz do (ainda somente) concerto em Moledo. Iria passado uns dias a um outro festival, este na praia fluvial de Barco (a uns bons 10 kms de Guimarães) para assistir aos suecos Katatonia e a uns espanhóis com o nome de Triangulo de Amor Bizarro(apesar do nome, soavam mais a Yeah Yeah Yeah's e outras cenas Indie da altura do que exactamente a New Order). O Sonic Blast cresceu a olhos visto desde então e para além de terem contado no ano passado entre outros com os Uncle Acid e Stoned Jesus este ano voltam a ter um cartaz que promete.Com Orange Goblin, Kadavar e os japoneses Kikagaku Moyo que fogem um bocado a este estilo mas que serão sempre bem-vindos ao nosso país.




















domingo, 26 de fevereiro de 2017

Night Shifts XXVI - Alcest

Já há muito tempo que sonhava encontrar uma banda assim. A prova viva que Shoegaze e Metal são compatíveis. Franceses de Avignon, os Alcest para além de terem um universo muito próprio são um pouco como se alguém tivesse pegado na essência dos Slowdive e os tivesse colocado na misturadora com Ulver antigo, Opeth e In the Woods. Agora só falta encontrar uma banda que consiga juntar o Metal e o Psicadelismo da mesma forma. Confesso que era (embora ainda de uma forma muito inconsciente e primitiva) aquilo que sonhava ter conseguido fazer com a minha antiga banda.




Para se ter uma ideia de como o Metal e o Psicadelismo poderiam soar juntos deixo aqui também a versão da Interstellar Overdrive dos Melvins. Confesso no entanto que Pink Floyd por vezes me soa obsoleto nos dias que correm (já quase que não oiço).
Experimentem ouvir também Spacemen 3 meus caros.









quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Night Shifts XXV - My Black Sabbath

 
Dias depois de terem terminado a ultima tournée das suas carreias com um concerto na Birmingham natal, eis o aniversário do primeiro álbum de todos. Ontem fez precisamente 47 anos que o metal nasceu.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Recomendação cinematográfica XXV - Na Via Láctea

De novo aqui no Blog em jeito de celebração pelo regresso de Kusturica aos bons filmes. Após uma (demasiado) longa fase de desinspiração e marasmo este parece ter retornado à sua linguagem cinematográfica que o caracterizou nos tempos áureos. Agora uma dúvida de natureza linguística, creio que Kusturiça pronuncia-se assim mesmo...com ç assedilhado (pronúncia dos Balcãs). E Na Via Láctea pronunciar-se-á certamente da mesma maneira que Underground ou Gato Preto, Gato Branco.